English Site
back
5 / 06

#558 Devo me desfazer de nossa árvore de Natal?

September 30, 2018
Q

Gostaria de começar agradecendo por seu compromisso com o evangelho e por seu trabalho intenso pelo reino de Deus. Sou pastor há muitos anos e tenho uma pergunta que me incomoda. Ficaria muito grato se pudesse me ajudar com sua opinião sobre o assunto. Preocupo-me com o uso da árvore de Natal na celebração do nascimento de Cristo. Há alguns fatos importantes: a árvore de Natal tem origem pagã e era usada em crenças celtas como parte do culto pagão; a Bíblia nos ensina a não misturar o santo com o profano. Isto foi luta constante do povo de Israel desde que deixaram o Egito até retornarem do exílio. Com base nestas duas afirmações, será que os cristãos deveriam usar a árvore de Natal como decoração durante a celebração do nascimento de Cristo? Onde posso encontrar mais informações para me aprofundar na questão? Agradeço por sua resposta.

Em Cristo,

Rayme
Estados Unidos

United States

Dr. Craig responde


A

Acho que sua consciência é sensível demais, Rayme! Não vejo nada de censurável em montar e desfrutar de uma árvore de Natal como parte da celebração do Natal — e não porque seja bela ou porque as crianças gostem dela (“disparate sentimental”, como diria o velho Potter), mas pura e simplesmente porque, como você reconhece, seu sentido mudou desde o tempo de sua origem. Parte do gênio da igreja foi que ela infundiu novos sentidos cristãos a feriados e práticas outrora pagãos que eram apreciados. O fato de que é preciso pesquisar para descobrir o sentido original da árvore de Natal é, por si só, prova de que o sentido mudou completamente desde sua origem.

Portanto, qualquer que tenha sido o significado da árvore antigamente, o fato indisputável é que ela não tem mais aquele sentido, mas se tornou parte da celebração do nascimento de Cristo. Simplesmente não importa o que significava antes para outros povos, séculos atrás, mas não significa mais atualmente.

Você está certo em se preocupar com o sincretismo religioso, que envolve a mistura do cristianismo com outras crenças e práticas religiosas que retêm. A preocupação do Antigo Testamento com o sincretismo é precisamente esta: a contaminação do judaísmo com deuses e crenças pagãos dos vizinhos de Israel. Porém, no sistema sacrificial levítico de ofertas, vemos um bom exemplo de como práticas que eram pagãs receberam novo sentido no culto de Israel. A oferta queimada, em particular, existia no Antigo Oriente Próximo antes do sistema levítico de sacrifícios e foi adotado neste, recebendo novo significado. O fato de que nações pagãs, anteriormente, tenham sacrificado ofertas queimadas para suas divindades não impediu que o Senhor incorporasse ofertas queimadas no culto verdadeiro dos judeus.

Do mesmo modo, a árvore de Natal não representa uma mistura de crenças ou culto pagãos com crenças cristãs. Quaisquer origens e sentidos pagãos foram, pelo contrário, suplantados pelas crenças cristãs. Por exemplo, na conhecida canção natalina “Pinheirinho de Natal”, a árvore simboliza fidelidade e perseverança. Numa versão, vemos os seguintes versos:

Ô pinheirinho de Natal,

que forte Deus te fez!

Nos fazes colocar a fé

em Deus eternamente!

Ô pinheirinho de Natal,

que forte Deus te fez!

(Dá até vontade de cantar, não dá?) Aqui vemos expressado um significado cristão, e pouquíssimas pessoas sabem algo a respeito de sentidos antigos, mas agora extintos.

Por isso, desfrute de sua árvore com sua família e tenha um Feliz Natal (e cheio de sentido)!

- William Lane Craig